Com o avanço sem precedentes do novo coronavírus no Brasil, a economia — que já vinha num momento incerto antes da pandemia — agora, mais do que nunca, pede socorro. Nós, empresários do setor de serviços, nos vemos diante de um cenário extremamente desafiador, sem o devido e necessário amparo do Governo Federal. Talvez eles não saibam a força desse setor para o País. 

As pequenas e médias empresas são as que mais empregam no Brasil — onde estão as Autoescolas/CFC’s — e o setor de serviços é considerado o maior empregador e o setor que tem maior peso no Produto Interno Bruto (PIB) Brasileiro, sendo responsável por quase 75% do total, segundo dados IBGE.

O setor de Autoescolas/CFC’s precisa de uma sinalização urgente do Governo Federal, que até o momento, com todo respeito a todas as atividades econômicas do País, tem se demonstrado mais preocupado com os caminhoneiros e trabalhadores informais do que em oferecer soluções que atendam a todo o setor econômico brasileiro. 

Estamos com as atividades interrompidas há mais de 10 dias, com razão, é claro, para conter a propagação da contaminação da covid-19, contudo, precisamos de soluções para este momento de indefinições e incertezas. Está chegando o dia do pagamento dos colaboradores e sabemos que muitas empresas não conseguirão arcar fielmente com essas despesas. 

Continuaremos aguardando com muita ansiedade e expectativa uma Medida Provisória ou qualquer outra ação efetiva do Governo Federal que assegure a sobrevivência e dê uma luz para as Autoescolas/CFC’s, que compõem um do setor que mais contribui para o Brasil.